Ícone do site Jornal A Comarca

Família faz BO após jovem de 13 anos voltar da escola com fratura no punho em Itaí

Uma família de Itaí, no interior de São Paulo, registrou um boletim de ocorrência depois que o filho de 13 anos voltou da escola com uma fratura no punho. Segundo os pais, o menino sofre bullying e foi agredido por um colega de sala.

O caso aconteceu no último dia 16 na Escola Estadual Abílio Raposo Ferraz Júnior. De acordo com o boletim de ocorrência, feito dois dias depois, a mãe do adolescente relatou que ele estava na sala de aula quando um outro aluno o agarrou pelo pescoço e o agrediu com chutes.

Conforme o BO, a mãe também disse que o menino levou uma rasteira e caiu no chão, por isso, fraturou o punho. Os dois meninos foram encaminhados à diretoria e, quando o adolescente chegou em casa, a família o levou ao hospital.

“Eu estava trabalhando e recebi um telefonema da minha família, quando meu filho já estava em casa. Aí cheguei e ele estava com o braço inchado, olho roxo e levei no hospital. Fizemos raio-X e marcamos ortopedista, que depois marcou duas cirurgias”, relata o pai Lucas Emanoel Ferraz.

Lucas contou que o filho têm reclamado de bullying há algum tempo e, por isso, decidiu postar um desabafo nas redes sociais contra a violência nas escolas. A esposa dele também fez uma publicação, na qual afirmou que a escola deveria ter dado mais amparo ao menino e à família, principalmente depois que a direção soube da gravidade do ferimento.

“Meu filho vem sofrendo na escola e, nesta segunda-feira, sofreu uma agressão que resultou na fratura do punho. Ele terá que passar por cirurgias para consertar essa ‘brincadeira de adolescente'”, diz a postagem.

O caso foi registrado como ato infracional de lesão corporal na delegacia de Itaí. No entanto, a Polícia Civil afirmou que, neste caso, as investigações serão feitas pelo Conselho Tutelar. O órgão disse que obteve conhecimento do caso nesta sexta-feira (20) e vai apurar a situação. A reportagem da TV TEM também entrou em contato com a Secretaria Estadual de Educação, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem (com informações do g1 Itapetininga e Região).

Sair da versão mobile