AcontecendoDestaqueRegiãoPraga dos laranjais deixa produtores em alerta nas regiões de Avaré, Botucatu, Itatinga e Itapetininga

O “grenning” é mortal para os laranjais, um dos mais importantes itens de exportação do agronegócio brasileiro
A Comarca26 de setembro de 2020424 min
https://www.jornalacomarca.com.br/wp-content/uploads/2020/09/pomares-de-laranja.jpg

A Fundecitrus – entidade que reúne os produtores de citrus no Estado de São Paulo está alertando os citricultores da região de Botucatu, Avaré e Itapetininga sobre os riscos do avanço do “greening”, uma praga mortal para os laranjais, um dos mais importantes itens de exportação do agronegócio brasileiro e que vem ganhando espaço na região nos últimos 10 anos. De cada 5 copos de laranja bebidos no mundo, 4 são produzidos no Brasil, especialmente no Estado de São Paulo.

O levantamento anual feito pela Fundecitrus, para medir a incidência de greening (huanglongbing/HLB), indica que 20,87% das laranjeiras do cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste de Minas Gerais possuem sintomas da doença, considerada a mais destrutiva da citricultura mundial, o que corresponde a cerca de 41 milhões de árvores.

Em Botucatu, Itatinga, Itapetininga e Avaré, a Fundecitrus está trabalhando para alertar os produtores com grandes lavouras e também aqueles que mantêm pequenos pomares. “Se uma propriedade tiver o greening próximo a outras culturas de citrus é necessário estabelecer o controle sanitário. Essa planta tem de ser eliminada e queimada para não contaminar outras plantas”. Alertou Guilherme Rodriguez, agrônomo da Fundecitrus, em Avaré.

Ele lembrou que na região existem as 3 maiores produtoras de laranjas do Brasil atuando no plantio e extração de suco e, salientou, a importância da fruta na região sul e central do Estado. Uma propriedade entre Itatinga e Avaré é considerada a maior em quantidade de plantas no mundo. “São mais de 40 milhões de pés de laranja em 77 propriedades citrícolas na região. Além dessas propriedades fazemos vistorias em propriedades menores para identificar o greening”, afirmou Rodriguez, durante entrevista na Radio Clube FM. Ele contou ainda que são 4,3 mil imóveis monitorados nas regiões de Avaré, Itatinga e Botucatu.

Atualmente o emprego rural em Botucatu e Avaré tem se mantido estável e ampliado, graças a produção de frutas, especialmente a laranja. A Fundecitrus calcula que em períodos de colheita, perto de 15 a 20 mil trabalhadores são contratados para a colheita e plantio de novos laranjais nas fazendas produtoras.

As regiões com maiores incidências do greening continuam sendo Brotas (60,46%), Limeira (53,18%), Porto Ferreira (33,67%) e Duartina (30,81%). Em uma faixa intermediária estão as regiões de Avaré (16,77%), Altinópolis (15,73%) e Matão (14,47%). Bebedouro (8,92%), São José do Rio Preto (3,5%), Votuporanga (0,08%), Triângulo Mineiro (0,08%) e Itapetininga (1,63%) são as regiões com menor incidência. (Texto de Haroldo Amaral)

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *